Para o sucesso e conforto da montaria, cavaleiro e cavalo devem estar devidamente equipados. Algumas roupas que são necessárias para que prática seja segura para ambos:

Bonés, chapéus ou capacetes: os capacetes devem possuir reforço interno para proteger possíveis pancadas na cabeça, quedas ou passagens por locais com troncos e galhos de árvores.

Calças justas ou culotes: os culotes são calças justas que evitam acidentes e que a roupa do cavaleiro o atrapalhe durante as manobras.

Chaperreiras: é uma calça de couro usada sobre a roupa. Ela dá mais aderência à sela e protege a roupa de ferimentos e do suor do cavalo.

Botas ou perneiras: no caso do uso de botinas de cano curto, é aconselhável o uso de perneiras, que são colocadas sobre o culote ou sobre a calça para proteger as pernas. As botas e botinas devem ter salto para não entrarem dentro do estribo e dificultarem a retirada dos pés.

Protetor de coluna: é o mesmo protetor usado por participantes de provas de Trail e Motocross. Ele evita trancos na coluna do cavaleiro, principalmente em longas cavalgadas.

Esporas: as esporas são formadas pelo garfo, que é a parte que se encaixa no calcanhar da bota do cavaleiro.

Chicotes: são feitos de vários materiais e vários tipos diferentes. É um artifício usado pelo cavaleiro quando a ajuda natural de pernas, posição na sela e comando de mãos e voz não são suficientes para que o cavalo obedeça aos comandos de aumento de velocidade.

Equipamentos necessários ao cavalo:

Manta: cada esporte exige mantas de estilos e modelos diferenciados. As mantas para prova de rédeas são maiores. As mantas próprias para selas inglesas têm o mesmo formato das selas.

Sela: podemos dividir as selas em cinco tipos básicos: a sela americana ou western, a sela inglesa, a sela australiana, as selas regionais e as selas de enduro.

Cabresto: o cabresto tem a função de facilitar o manejo e a condução do cavalo nas mais variadas situações. Para os potros, o cabresto ideal é o de fita larga, pois causa muito menos lesão na pele.

Cabeçada: cabeçada é o conjunto que, ajustado à cabeça do cavalo, sustenta a embocadura. Há cabeçadas com testeiras e outras apenas com uma alça que é passada por trás da orelha do cavalo.

Embocaduras: a embocadura consiste em qualquer coisa que passe pela boca do cavalo e que tenha contato com as mãos do cavaleiro através das rédeas.

Bridão: o bridão consiste numa embocadura articulada no centro com duas argolas laterais, onde prendemos as rédeas e a cabeçada. Bridões normalmente são usados na doma antes do uso do freio.

Depois de protegidos, cavaleiro e cavalo já estão prontos e seguros para realizarem suas atividades e passeios.

Fonte: Portal agropecuário